sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

O Circo Mariano e o Algueirão

O Circo Mariano, uma das grandes companhias de circo nacionais, infelizmente hoje extinta, teve fortes ligações ao Algueirão.

No final da década de 60/início da década de 70 do século passado, o então proprietário do Circo Mariano, Henry Tony (nome artístico), também seu ilusionista, adquiriu uma quinta no Algueirão, na Recta da Granja, onde instalou os seus sogros, Cristiano e Lucília.

Após o 25 de Abril o próprio empresário e restante família estabeleceram-se mesmo no Algueirão, onde se tornaram figuras reconhecidas. Os sogros e o próprio Henry Tony já faleceram, mas a sua esposa e filha continuam a residir no Algueirão.

Recordo-me de pequeno particularmente do Sr. Cristiano, figura muito simpática e afável, e da sua esposa, uma senhora muito delicada e igualmente simpática.

D. Lucília


Nesta época natalícia, em que o circo "desce à cidade" , procuramos recolher alguma informação sobre o Circo Mariano (que não resultou tão rica quanto isso).
Das origens do Circo Mariano, encontramos uma nota biográfico do seu fundador Mariano Augusto Monteiro, definido como “o melhor empresário de circo português de todos os tempos” em http://www.flickr.com/photos/circoev/4035077837/.
O circo terá nascido na década de 20 do século XX, tendo com conhecido “grande pujança nos anos 50” e problemas no início da década de 70; foi nessa altura que Henry Tony terá adquirido o Circo Mariano.

Mariano Augusto Monteiro

Mariano Augusto Monteiro foi o melhor empresário de circo português de todos os tempos. Iniciou-se como saltador, posteriormente palhaço e lentamente foi organizando um grupo de artistas e adquirindo algum material, para que, na década de 20, nascesse o seu primeiro circo.
Conheceu grande pujança nos anos 50, tendo desfilado na sua pista grandes nomes do circo mundial: Emílio Zavatta (corda elástica), Logano (contorcionista aéreo), Ant-Platas (malabarista), miss Kate (ursos gigantes), Jolson, Conde de Aguilar, Lion Sacor, Irmãos Campos, Atalaias, D. Aguinaldo, Henry Tony entre muitos outros. Com os anos 70, começaram os problemas financeiros e a ruína de todo o império construído do nada. No Porto, após o incêndio do circo, nada correu bem. Um dos seus primos matou o seu encarregado e assim, foi obrigado a vender o seu nome a Henry Tony (ilusionista). Ao adquirir o alvará, relança o Mariano para o sucesso merecido. No entanto, a vida de Mariano Monteiro não voltou a ser a mesma: conheceu o desamparo e a solidão na velhice. Numa reportagem a que tivemos acesso, o velho palhaço afirmava: "agora que já não sou nada, tenho de viver das ajudas que me dão...o que faço é aparecer na pista, onde me apresentam. Depois sento-me à porta e ali fico.". Foi com a chegada do 25 de Abril e com as exigências (justas) de funcionários e artistas que este circo se afunda definitivamente. Tal como ele, outros tantos fecham as suas portas: Mexicano (actual Ringland), Royal, New-York, Brasil...

É esta a história de um homem que das gargalhadas à velhice conheceu 50 anos de uma vida dura dedicada ao circo.


Sobre a família de Mariano, encontramos uma referência num blogue sobre a povoação de Sobral Magro, situada na Serra do Açor, concelho de Arganil - http://sobralmagro.com.sapo.pt/loca.htm:
(...) Em Sobral Magro nasceu também a família a que chamavam os Comediantes. Esta família migrou para Lisboa e foram donos de um famoso Circo – o Circo Mariano.

Acerca de uma das personagens do Circo Mariano, António Ribeiro ou “Toni das Gaitas”, que viria a ser reconhecido exactamente como tocador de gaita-de-foles, no blogue http://www.gaitadefoles.net/vidas/default.htm:
(...) O homem que tantas despedidas tinha feito aos que partiam, iria também embarcar para África. Não já como militar, visto não ter sido mobilizado, mas como artista do Circo Mariano, que partia em digressão para aquelas paragens. Por lá andou, de Angola foi para Moçambique, daqui para a África do Sul, sempre acompanhado da gaita e agora também do clarinete. Homem de sete ofícios, desempenhou papéis de palhaço e malabarista, montou, desmontou e voltou a montar, as grandes tendas do circo e quando as rajadas furiosas de ventos e vendavais ameaçavam varrer tudo, passou noites inteiras a velar pela sua segurança.


Em 1974, regressou definitivamente e foi fixar-se nos arredores do Porto, na Senhora da Hora. O Circo Mariano, que tinha chegado ao fim dos seus dias, já não lhe podia garantir o sustento diário. Assim obedecendo aos velhos impulsos, começou a formar gaiteiros e a constituir grupos de gaitas e percussões, para animar festas e romarias. Assim nasceram os Gaiteiros Nacionais, agrupamento que chegou a ter 58 elementos. Todos os seus filhos, catorze ao todo, tocam a gaita, rufam na caixa e percutem o bombo.
Falta falar de António Ribeiro como construtor de
instrumentos tradicionais. Várias das gaitas usadas pelos Gaiteiros Nacionais foram construídas por si, tal como as caixas e os bombos, e as peles foi ele quem as curtiu. A qualidade e a perfeição desses instrumentos estão à vista.
Mais do que um gaiteiro, de tão reconhecido como surpreendente virtuosismo, numa arte da qual conserva os traços e cânones essenciais da tradição, António Ribeiro é um excelente exemplo de Cultura Popular sobrevivente no seio da "grande cidade", trazido pelas correntes migratórias que geraram quer movimentos de integração quer focos de exclusão. Rebelde e marginal quanto baste, António Ribeiro é uma verdadeira "ilha" de criatividade expressiva da mais autêntica Cultura Popular que a cidade deve revelar e, como tal, valorizar.
Texto: Excerto do livrete do CD "António Ribeiro - Toni das Gaitas" - Colecção "Gaiteiros Tradicionais" nº8 - Mário Correia / Sons da Terra, 2000
Fotos: APEGDF


Uma nota sobre a concessão de “subsídios” em Angola por Henry Tony a um artista popular, hoje maestro da Associação Cultural Lá-Mi-Ré (Monção e Arcos de Valdevez). http://membres.multimania.fr/lamire2004/maestro_p.htm:
(...) Em 1970 realizou o primeiro espectáculo de "Arte e Cultura Popular" (música, teatro e folclore), com o qual obteve estrondoso êxito. A Câmara Municipal do Lobito e Governo Civil do distrito de Benguela interessaram-se imediatamente por esse género de espectáculos, atribuindo subsídios e ajudando na sua divulgação, o que deu origem a actuações em Benguela, Lobito, Cubal, Ganda, Novo Redondo, Gabela, Nova Lisboa e Sá da Bandeira. Outras entidades, nomeadamente as Câmaras Municipais de Benguela, Novo Redondo, Nova Lisboa e Sá da Bandeira, Companhia de Celulose do Ultramar Português, Robbialac Portuguesa, Companhia dos Cimentos de Angola, Banco de Angola, Lupral Lusalite & Previdente de Angola, etc., concederam bons subsídios. Por intermédio do Director do Centro de Informação e Turismo de Angola (CITA), Dr. José Maria Rodrigues de Vasconcelos, foram concedidos vários outros subsídios, especialmente pelo empresa Henry Tony (Circo Mariano).



De actuações em Évora é dada notícia no blogue http://acribeiro.blogs.sapo.pt/2010/06/:
(...) Quando nos encontramos a poucos dias do início da Feira de São João informamos os amantes da Arte Circense que a Companhia de Circo do Juventude Sport Clube também actuou por várias vezes na Ancestral Feira, nomeadamente no Circo Mariano.


De outra(s) passagens no Alentejo, no blogue http://alentejanando.weblog.com.pt/arquivo/118610.html:

(...) Na missa domingueira o sacristão de ocasião corria pelo corredor lateral até à linha de fundo, centrava, e, repentinamente, num arreganho de ponta-de-lança, o prior mandava o sermão para o fundo das redes do fiel rebanho que conivente com o rápido despacho desandava alegremente para o zaronzel da feira. Era verdadeiramente um fartote de animação.
- Hoje, pelas nove horas da noite, o Circo Mariano apresenta um magistral espectáculo com entrada grátis às damas.
A partir daqui tudo era possível. Com os beiços besuntados de algodão doce e os olhinhos mais arregalados que um mocho, dei fé da tenda onde cabia um mundo de fantasia, um mundo que esticava para lá da rábula do palhaço pobre e do palhaço rico. Da trapezista rechonchuda e do contorcionista com costelas que mais pareciam teclas de piano. Do leão desdentado e do macaco macaco. Um mundo tão magistral em que até o urso sabia andar de mota.

No blogue “Recordações da Casa Amarela” – http://recordacoescasamarela.blogspot.com/2010/10/luanda-coliseum-agora-novo-jornal.html -, a lembrança das passagens do circo por Angola, de um post assinado por Fernando Pereira de 30 de Outubro de 2010:
(...) Angola recebia com regularidade, algumas companhias de circo, que aproveitavam o Inverno em Portugal, para fazerem a sua campanha africana, recebendo inclusivamente subsídios avultados, do Ministério do Ultramar e da Defesa, para um conjunto de espectáculos para as Forças Armadas portuguesas.

O circo Mariano, ficava num terreno desocupado, no cruzamento da Av. Comandante Valódia, com a Alameda Manuel Van-Dunem. A expressão do “ Circo desceu à cidade” aplicava-se apropriadamente a este, propriedade de Henry Tony (nome artístico), pois à volta da tenda grande lá estavam umas jaulas, com animais sedados, e umas roulottes, onde os trapezistas, domadores, palhaços, ilusionistas, todo o conjunto de gente que nos fazia sonhar naquelas duas horas, em que embevecidos, assistíamos a algo que julgávamos impossível acontecer.



Em 1978 o Circo Mariano ainda efectuaria actuações, de acordo com um folheto que o meu pai guardou:




10 comentários:

Anónimo disse...

Realmente é óptimo relembrar tudo o que já foi o Algueirão, o que a família Mariano era...As raízes do Algueirão..Obrigada

Hugo Nicolau disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Se é o nsso famoso Circo Mariano , quer lembrar aos leitores e amigos desta pagina que a minha Mãe trabalhou no circo , era a fakir do circo, quando nas ex-colónias ... há muinto tempo que vos tenho procurado e é com muinta alegria no meu coração que esta menssagem aqui escrevo .. Abraços e até breve .. Carlos Fortes o Filho da Fernanda D'Oliveira

Salamander disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Salamander disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruno Penas disse...

O meu bisavó era ilusionista do circo. Gostava de conseguir ver fotos dele na altura.

Unknown disse...

Julgo que gostariam de saber.
Segundo testemunhos, os pais do Sr. Mariano, percorriam o país com espectáculos de rua, designados naquele tempo por"saltimbancos".
Numa passagem pela outrora vila de Valpaços,nasceu desse casal uma criança, á qual lhe foi dado o nome de Mariano, como homenagem e agradecimento ao sr. Mariano, proprietario do "solar dos morgados,tb conhecido como Arco do Mariano", que assistindo ás dificuldades do casal na altura, os acolheu por algum período,permitindo também que exibissem os seus espectáculos,no recreio interior do solar.
Recordo-me ainda em criança, num espectáculo do circo Mariano em Valpaços, o apresentador fazer uma alusão a esse acontecimento.


Angela Cristina disse...

Infelizmente não tive a oportunidade de conhecer o meu tio mariano...por isso tenho o orgulho de ter uma costela circense.mesmo ter família ainda viva no Algueirao

Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Andreia Santos disse...

Eu tenho muito orgulho de dizer que sou bisneta do Mariano... Uma parte da familia Mariano reside no Cartaxo.